(51) 3333-1143 contato@marinalara.com.br

O corpo humano é um mistério e todos sabemos disso.

Há coisas que não podemos explicar – mas, felizmente, a ciência explica.

Estudos recentes publicados na base de dados PubMed e na revista científica New Scientist indicam que a gengivite pode estar associada ao Alzheimer.

Neste artigo, você vai descobrir como e por que a gengivite e o Alzheimer – doenças aparentemente sem relação alguma – estão associadas e também o que pode ser feito para combater a gengivite.

 

O que é a gengivite?

A gengivite é uma inflamação ocasionada pela má higiene bucal, mas outros fatores podem influenciar o seu desenvolvimento, tais como a má alimentação, tabagismo e sistema imunológico comprometido.

Ela tem o seu surgimento nas bactérias que encontram em nosso sulco gengival um local para reprodução e proliferação da doença.

Descubra aqui o que a Dra. Marina fala para seus pacientes sobre como combater a gengivite de forma eficiente e simples.

Aproveite e relembre o caso da Renata Banhara, que sofreu um problema de doença sistêmica ocasionado por um problema bucal.

A placa bacteriana formada sob as gengivas tende a criar um cálculo dentário quando não tratada corretamente, que são os chamados tártaros.

Os sintomas da gengivite são:

  • Vermelhidão das gengivas
  • Inflamação da região afetada
  • Sangramento durante o momento da escovação e uso do fio dental
  • Halitose (mau hálito)

Quando não tratada, a inflamação gengival evolui para um quadro de periodontite, que é muito mais grave e pode apresentar outros sintomas – e que são ainda mais incômodos. Entre eles, pessoas com periodontite podem ter:

  • Mau hálito
  • Tártaro
  • Surgimento de aftas
  • Perda dos dentes

A bactéria responsável pela maioria dos casos de periodontite é a Porphyromonas  gingivalis (ou P. gingivalis).

 
Quer saber mais sobre a P. gingivalis?

Leia aqui: Papel da Porphyromonas Gingivalis na Doença Periodontal.

 Leia o artigo publicado no New Scientist, em janeiro de 2019: We may finally know what causes Alzheimer’s – and how to stop it.

Acesse o artigo publicado no PubMed, em abril de 2019: Association between Axonopathy and Amyloid Plaques in the Spinal Cord of the Transgenic Mice of Alzheimer’s Disease.

 Entenda o que é periodontite e 7 sinais que sua gengivite evolui.

Alzheimer: uma das doenças que mais mata no mundo

De acordo com o artigo citado acima da New Scientist, o Alzheimer está entre uma das cinco doenças que mais matam ao redor do mundo.

Isto porque a doença, que tem caráter degenerativo, ainda não teve a razão da sua causa descoberta, o que torna o tratamento muito improvável e difícil.

gengivite-esta-associada-a-doença-do-alzheimer

O que se sabe é que foi observado no cérebro de pessoas com Alzheimer o acúmulo das proteínas beta-amiloide e tau e isso pode estar associado à perda progressiva de memória em indivíduos portadores com esta doença.

Segundo a revista New Scientist, a bactéria responsável pela periodontite foi aplicada em ratos de laboratório para testes.

Os resultados obtidos constataram que a aplicação levou os ratos à uma infecção cerebral. Em seus cérebros, foram encontradas uma quantidade massiva de proteína beta-amiloide e emaranhados da proteína tau.

 

Mas e em humanos? Como a bactéria causadora da gengivite chega até o cérebro?

Ainda não é possível explicar com clareza a rota que a P. gingivalis faz até o cérebro humano.

Mas leia este trecho extraído do artigo da revista New Scientist:

“A nossa boca geralmente abriga uma comunidade diversa de bactérias, mas quando as placas dentárias se formam sob as nossas gengivas, elas podem formar bolsas inflamadas nas quais a P. gingivalis podem se desenvolver e liberar toxinas.” 

Isto significa que, provavelmente, estas toxinas prejudicam a cavidade oral e isto dá alternativas para as bactérias da periodontite saírem da boca e entrarem na corrente sanguínea e até alcançar outros órgãos, incluindo o cérebro.

 

Aprenda a prevenir a gengivite – e também o Alzheimer!

A partir dos estudos científicos está sendo possível comprovar a relação entre a saúde bucal com o resto da saúde sistêmica do corpo humano.

E isso é incrível, pois mostra como nosso corpo é um mecanismo complexo que precisa ser tratado e cuidado de forma igualitária.

Pense comigo: se você vai ao cardiologista para cuidar da saúde do seu coração, por que você não vai ao dentista para cuidar da sua saúde bucal? Qual a diferença entre estes dois procedimentos?

Por isso, a odontologia é tão importante para a vida das pessoas, pois além de garantir a melhor estética do sorriso, ela tem um papel importante para que você atinja um nível de saúde bucal plena.

Há dentistas que são especializados na área da periodontologia e, portanto, são aptos para cuidar dos problemas gengivais.

Nós estamos aqui para cuidar de você, mas é importante que você não deixe de lado o cuidado com o seu sorriso!

As melhores formas para prevenir um quadro de gengivite serão sempre manter hábitos adequados de higiene bucal, como a escovação, o uso diário do fio dental e também visitas periódicas ao cirurgião dentista.

 
Se você ainda não sabe fazer o uso correto do fio dental, este vídeo é para você: